16 de dezembro de 2020

Pólipos uterinos: entenda o que são e qual é o tratamento

Os pólipos uterinos são glândulas agrupadas que se destacam da cavidade uterina. Essas glândulas têm característica celular normal, porém, elas se destacam e fazem um agrupamento separado, formando os pólipos.

Estes são como verrugas e se fixam na parede interna do útero (endométrio). Ao surgirem, podem causar, entre outras coisas, infertilidade. Isso ocorre porque, como já mencionado, eles se agrupam, dificultando a implantação do embrião no endométrio, condição, entretanto, fundamental para a gravidez.

“Os pólipos endometriais têm uma característica importante na prática ginecológica porque eles não podem ficar lá [na cavidade uterina]. […] É diferente de um mioma. O mioma você pode deixar, mas o pólipo endometrial não. Uma vez que foi visto, precisa ser retirado.  Isso porque, com o tempo, eles têm uma propensão a virar doenças malignas. Uma propensão maior do que outras patologias”.

A explicação é do ginecologista Dr. José Higino Ribeiro dos Santos Jr. (CRM 80.719). O especialista em reprodução assistida integra a equipe do Centro de Reprodução Humana de Piracicaba (CRHP).

Como detectar pólipos uterinos?

Os pólipos uterinos podem ser identificados por meio de um ultrassom transvaginal. Mas é importante também ficar atenta aos sinais. Os sintomas podem ser, por exemplo:

  • Infertilidade;
  • Sangramento uterino anormal (pode acontecer pós-relação ou no meio do ciclo);
  • Cólica (pois o útero contrai, tentando expulsar o pólipo de dentro da cavidade uterina).

Qual tratamento pode ser indicado?

Conforme explica o especialista do CRHP, o tratamento dos pólipos uterinos é feito através da histeroscopia. Essa é uma técnica que utiliza uma microcâmera que permite observar a cavidade uterina e, assim, identificar doenças existentes dentro do útero.

O procedimento, além de permitir essa visualização, também pode ser cirúrgico (caso do tratamento em questão).

“É o padrão ouro para avaliação de qualquer outra patologia intrauterina, entre as quais, a mais prevalente é o pólipo endometrial”, explica o ginecologista.

É possível engravidar após a retirada do pólipo?

Além do procedimento cirúrgico, quem deseja engravidar deve se atentar às causas dos pólipos uterinos. Às vezes, essas causas são, por exemplo, fatores uterinos, como explica o médico:

“O útero tem uma alteração na sua forma, e aí pode projetar as glândulas para fora, […] como um pólipo”, explica.

As causas mais comuns, no entanto, são as alterações hormonais. Quando há alterações no ciclo menstrual, há um aumento do estradiol, que é o hormônio da primeira parte do clico, em contraposição à progesterona, o que faz com que o endométrio descame.

“Essa ação contínua de estradiol em cima das glândulas, pode fazer agrupamentos glandulares, que são pólipos. Ai, se você os retira e não faz o tratamento hormonal, você não corrige as causas. E, em pouco tempo, a paciente vai ter outros”, explica ele.

Sendo assim, uma gravidez espontânea ou a chance de sucesso de um procedimento de reprodução assistida vão depender da causa da formação dos pólipos. Isso significa que se a infertilidade for exclusivamente causada por ele, é possível engravidar após retirá-lo.

Entretanto, conforme ressalta o médico, a causa pode ser multifatorial. “Normalmente, o problema é hormonal, que é causa das duas coisas (tanto da infertilidade, quanto do pólipo). Você tem que corrigir a causa”, finaliza.

Concluindo, é importante salientar que não há prevenção para os pólipos, contudo, como já mencionado inúmeras vezes pelos especialistas, manter hábitos saudáveis e praticar atividade física são atitudes indiretas que contribuem para saúde e também evitam a obesidade, que é um fator que, indiretamente, pode provocar o surgimento deles.

Portanto, fique sempre atenta à sua saúde e consulte seu médico regularmente!

O Centro de Reprodução Humana de Piracicaba está instalado no Hospital Santa Isabel, graças a uma parceria com a Santa Casa de Piracicaba.

Jornalista responsável: Arlete Maria Antunes de Moraes. MTB 0084412/SP.

Dr. José Higino Ribeiro dos Santos Jr.
Dr. José Higino Ribeiro dos Santos Jr.

Dr. José Higino Ribeiro dos Santos Jr.

Ginecologista | CRM 80.719
  • Formado em Medicina pela Unicamp
  • Especialista em videolasparocopia e videohisteroscopia pela Febrasgo
  • Residência médica especializada em reprodução humana assistida e Endoscopia ginecológica pela Unicamp.
Saiba mais