1 de abril de 2020

Grávidas devem ter preocupação maior com o Coronavírus?

Embora estudos iniciais não coloquem as grávidas no grupo de risco de pessoas vulneráveis à Covid-19, doença causada pelo Coronavírus, a orientação é de que gestantes, mulheres que estão tentando engravidar e mães que estão amamentando adotem cuidados especiais para se proteger neste período de pandemia. A informação é do ginecologista Paulo Padovani, diretor do Centro de Reprodução Humana de Piracicaba.

“Como este é um vírus muito novo e os estudos são escassos, é importante que as gestantes, as mulheres que estão tentando engravidar e as que estão amamentando mantenham-se informadas sobre a doença e se protejam, seguindo sempre as recomendações dos órgãos de saúde”, afirma Padovani. Os mesmos cuidados devem ser tomados pelos parceiros e familiares. Na dúvida sobre o que fazer, ele recomenda que a paciente consulte seu obstetra ou o pediatra que acompanha o bebê.

Evitar aglomerações, ficar em ambiente doméstico e reforçar hábitos de higiene estão entre as orientações do ginecologista. “Toda vez que realmente precisar sair e chegar em casa, é preciso retirar roupas e calçados, lavar cuidadosamente as mãos e punhos; o álcool gel não substitui a lavagem e deve ser utilizado como alternativa quando as pessoas estão em trânsito”, informa. Os hábitos a serem adotados também incluem utilizar lenço descartável para higiene nasal, cobrir nariz e boca quando espirrar ou tossir, evitar tocar mucosas de olhos, nariz e boca, manter ambientes ventilados e não compartilhar objetos pessoais.

Durante o período da pandemia, a recomendação é que sejam evitados beijos, abraços e apertos de mão. Os contatos sociais também devem ser reduzidos.

É preciso ter cuidado, não pânico

Grávidas e mulheres que estão tentando engravidar não estão incluídas, inicialmente, no grupo de risco e não devem entrar em pânico, de acordo com Padovani. Informações divulgadas pela OMS (Organização Mundial de Saúde) também descartam a “contaminação vertical”, ou seja a transmissão do vírus de mulheres grávidas para o feto.

No caso das pacientes em tratamento para engravidar, o Centro de Reprodução Humana de Piracicaba segue todas as orientações da SBRA (Sociedade Brasileira de Reprodução Assistida), da REDLARA (Rede Latinoamericana de Reprodução Assistida) e da SBRH (Sociedade Brasileira de Reprodução Humana). “Estamos dando continuidade aos tratamentos iniciados, seguindo orientação da SBRA”, informa Padovani.

Conforme as orientações, ciclos em andamento serão finalizados, com controles estritos dos pacientes e equipes envolvidas; casos de transferência embrionária a serem finalizados serão avaliados individualmente. Com a exceção de casos oncológicos e outros em que o adiamento possa causar mais dano ao paciente, não serão iniciados novos procedimentos. Nessas eventualidades, a decisão deverá ser compartilhada e sob rigorosa individualização.

Quando o procedimento está em andamento e a paciente tem suspeita do Coronavírus, os embriões serão congelados, para posterior transferência. “Se o casal estiver sem sintomas, discutiremos com eles e se acharmos conveniente, iniciaremos o tratamento”, declara Padovani.

A clínica também adotou a teleconsulta, para atender online pacientes que precisem de consulta, orientações, receitas e avaliações de exames.

 

SOBRE O CORONAVÍRUS

A Covid-19 (Coronavírus Disease 2019) é uma doença infecciosa causada pelo Coronavírus, que pode ser transmitida pelo ar e/ou contato com objetos infectados. Os sintomas mais comuns são febre, tosse e dificuldade em respirar.

O vírus tem o período de incubação que varia de 5 a 14 dias e pode ser transmitido durante este intervalo de tempo mesmo que o paciente não tenha sintomas.

“Quando a gestante ou familiares apresentam sintomas, a orientação é que entre em contato com o obstetra, que dará as diretrizes de acordo com cada caso”, esclarece Padovani.

 

Jornalistas responsáveis: Flávia Paschoal/Marisa Massiarelli Setto – Toda Mídia Comunicação

Dr. Paulo Arthur Machado Padovani
Dr. Paulo Arthur Machado Padovani

Dr. Paulo Arthur Machado Padovani

Ginecologista | CRM 39.536
  • Formado pela Faculdade de Medicina de Jundiaí
  • Pós-graduado lato-sensu pela Faculdade de Medicina de Jundiaí e Associação Instituto Sapientiae
  • Especialista em ginecologia e obstetrícia, e habilitação em laparoscopia
  • Membro efetivo da Sociedade Brasileira de Reprodução Assistida
  • Possui título de Capacitação em Reprodução Assistida emitido pela Sociedade Brasileira de Reprodução Assistida
Saiba mais