20 de agosto de 2019

Nossa equipe participa todos os anos do Congresso Brasileiro de Reprodução Assistida

Os ginecologistas Ernesto Valvano e Paulo Padovani e a embriologista Elianna Suganuma, da equipe do Centro de Reprodução Humana de Piracicaba, participaram do 23º Congresso Brasileiro de Reprodução Assistida, no início de agosto, em Curitiba. Este ano, o encontro teve como tema “Plantando sementes, gerando vidas” e destacou a importância da interdisciplinaridade nos tratamentos.

“Desde a criação do Centro de Reprodução Humana de Piracicaba, há 11 anos, fazemos questão de participar deste encontro anual organizado pela Sociedade Brasileira de Reprodução Assistida”, afirmam os ginecologistas Paulo Padovani e Ernesto Valvano. Eles destacam que este e outros congressos são fundamentais para manter a equipe atualizada com o que há de mais moderno na área de reprodução humana e aprimorar os procedimentos. “Recebemos informações este ano sobre inovações em pesquisas, novas formas de indução de ovulação e aperfeiçoamento das técnicas de transferência, entre outros detalhes importantes que fazem toda a diferença em um tratamento”, destacam.

Nesta edição, os participantes relatam a apresentação de estudos inéditos, análises dos avanços no setor e novas tecnologias na área de reprodução assistida. Foram realizadas 384 palestras, cursos e workshops técnicos com as principais referências nacionais e mundiais em reprodução humana.

A lista de temas abordados incluiu congelamento de óvulos, congelamento de embriões, gravidez tardia e indução de ovulação, oncofertilidade, com a preservação da fertilidade por meio do congelamento de células germinativas, entre outros.

Durante a abertura, a presidente da SBRA, Hitomi Nakagawa, reforçou a importância do trabalho realizado pelos profissionais brasileiros e destacou os avanços das técnicas de reprodução assistida no tratamento da endometriose, uma das mais importantes causas de infertilidade feminina.

 

Interação entre profissionais

Em sua 23ª edição, o Congresso teve característica interdisciplinar, abordando aspectos de cada área envolvida no processo de reprodução assistida. O encontro reuniu médicos, embriologistas, enfermeiros, psicólogos, biólogos, especialistas em reprodução humana, ginecologistas, urologistas, mastologistas, oncologistas e gestores de clínicas.

O presidente do Congresso, Álvaro Ceschin, destacou que os procedimentos de reprodução assistida alcançam maior progresso quando as áreas correlatas trabalham de forma interdisciplinar. “É um intercâmbio muito importante porque a gente só consegue ter um bom resultado no nosso trabalho se tiver uma interação bem adequada entre os profissionais envolvidos”, reforça. (Com informações da assessoria da Sociedade Brasileira de Reprodução Assistida)

Jornalistas responsáveis: Flávia Paschoal/Marisa Massiarelli Setto – Toda Mídia Comunicação