26 de dezembro de 2018

Família tem Natal completo com a ajuda da medicina

Quatro anos de namoro, depois, o casamento e a vontade de ter filhos foram uma sequência natural na vida da esteticista Amanda Rebeca Schiavinato Gazarini, 29, e do engenheiro eletricista Luiz Augusto Gazarini, 37. Jovens, o que eles não esperavam era o fato da gravidez não ocorrer naturalmente. Este ano, o casal tem mais que motivos para comemorar. É o primeiro Natal que consideram ‘completo’, pois passarão com filho, Joaquim, que nasceu em março.

O desafio começou em 2014, quando, durante exames, descobriram que haveria pouca chance da gravidez ocorrer naturalmente. Na época, foram aconselhados a procurar um especialista em reprodução humana.

Chegaram ao Centro de Reprodução Humana de Piracicaba, onde iniciaram o tratamento para a fertilização in vitro. Em julho de 2017, foi feita a primeira tentativa e, em menos de 15 dias, a gravidez foi confirmada. O casal já se sentia feliz com a grande notícia.

Ao nascer do Joaquim, a felicidade se completou. Ficaram extremamente agradecidos pelo presente que estavam ganhando naquele momento.

Para celebrar este nascimento tão esperado, no primeiro Natal que passarão juntos com Joaquim, Amanda e Luiz decoraram toda a casa para que o filho já celebre essa data com os pais em alegria. O casal pretende tentar novamente o tratamento para que possa ter outro bebê e Joaquim ganhar um irmão.

Muita história para contar

Casos como este fazem parte da história de 10 anos do Centro de Reprodução Humana de Piracicaba, instalado no Hospital Santa Isabel, graças a uma parceria com a Santa Casa de Piracicaba. O ginecologista Paulo Padovani, diretor da clínica, afirma que os resultados dos tratamentos em reprodução assistida são melhores quando realizados no início da vida reprodutiva do casal, de preferência antes dos 30 anos, período em que a reserva ovariana é melhor, mas que, após esta idade, muitos obstáculos ainda podem ser superados com a ajuda da medicina.

 “Nestes 10 anos, acompanhamos desde casais que conseguiram engravidar após orientações específicas do especialista em reprodução humana, antes mesmo de fazer os exames, até a experiência de pacientes que enfrentaram dificuldades extremas, como uma jovem com menos de 28 anos que tinha endometriose, já havia retirado um ovário e precisou retirar lesões do outro ovário por laparoscopia”, relata Padovani. Mesmo assim, com tratamento de fertilização in vitro, ela engravidou.

Da trajetória da clínica, também fazem parte histórias de pacientes em idade avançada. “Embora as chances de gravidez sejam muito reduzidas após os 40 anos, a medicina reprodutiva traz alternativas para tentar uma gestação e atendemos, durante estes dez anos, muitas mulheres que, com tratamentos específicos, conseguiram a tão desejada gravidez”, relata.

Jornalistas responsáveis: Flávia Paschoal/Marisa Massiarelli Setto – Toda Mídia Comunicação

 

Crédito da foto de Amanda, Joaquim e Luiz Augusto: Osvaldo Gazarini

Dr. Paulo Arthur Machado Padovani
Dr. Paulo Arthur Machado Padovani

Dr. Paulo Arthur Machado Padovani

Ginecologista | CRM 39.536
  • Formado pela Faculdade de Medicina de Jundiaí
  • Pós-graduado lato-sensu pela Faculdade de Medicina de Jundiaí e Associação Instituto Sapientiae
  • Especialista em ginecologia e obstetrícia, e habilitação em laparoscopia
  • Membro efetivo da Sociedade Brasileira de Reprodução Assistida
  • Possui título de Capacitação em Reprodução Assistida emitido pela Sociedade Brasileira de Reprodução Assistida
Saiba mais