29 de julho de 2016

Como funciona a doação de embriões?

Quando um casal faz fertilização in vitro, geralmente são produzidos vários embriões. Alguns podem ser congelados para serem utilizados em outras tentativas. Se o tratamento der certo e o casal não quiser mais ter filhos, pode assinar uma autorização para que os embriões restantes sejam doados. A explicação é da ginecologista Milena Elisa Goes Dias Silva, da equipe do Centro de Reprodução Humana de Piracicaba, que está preparado para estes procedimentos.

Nos casos de doação, devem ser seguidas as normas do Conselho Federal de Medicina. “Antes da doação ser efetuada, investigamos se há problemas genéticos na família dos doadores”, afirma Milena. “Casais sem problemas de saúde e que não sejam fumantes podem ser doadores”, acrescenta.

A ginecologista informa que a adoção de embrião é indicada apenas para casais que têm graves distúrbios de infertilidade. “Na escolha do embrião ,priorizamos a semelhança física entre os pacientes doadores e os pacientes receptores”, declara.

O QUE DIZ O CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA

1- A doação não poderá ter caráter lucrativo ou comercial;

2- Será mantido, obrigatoriamente, o sigilo sobre a identidade dos doadores de embriões, bem como dos receptores. Em situações especiais, informações sobre os doadores, por motivação médica, podem ser fornecidas exclusivamente para médicos, resguardando-se a identidade civil do(a) doador(a).

3 – A escolha dos doadores é de responsabilidade do médico assistente. Dentro do possível, deverá garantir que o(a) doador(a) tenha a maior semelhança fenotípica e a máxima possibilidade de compatibilidade com a receptora.

Jornalistas responsáveis: Flávia Paschoal/Marisa Massiarelli Setto – Toda Mídia Comunicação

 


DRA. MILENA ELISA GOES DIAS SILVA

Ginecologista | CRM/SP 141.626

• Formada pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul
• Pós-graduação em infertilidade e reprodução humana pela Faculdade de Ciências médicas da Santa Casa de São Paulo/Projeto Alfa