18 de abril de 2016

Sangramento no início da gravidez nem sempre indica aborto

O sangramento no início da gravidez nem sempre é sinal de aborto, mas a gestante deve passar por consulta com seu médico. A informação é do ginecologista José Higino Ribeiro dos Santos Junior, da equipe do Centro de Reprodução Humana de Piracicaba, referência na região.

“Pequenos sangramentos nem sempre são por um problema grave, com comprometimento do bebê”, esclarece o ginecologista. Ele explica que, nas primeiras semanas, é normal acontecer um pequeno sangramento, que pode significar apenas a acomodação do saco gestacional.

Isso não quer dizer que o sintoma pode ser subestimado. “É aconselhável realizar exames para investigar a origem do sangramento”, explica Higino. “No Centro de Reprodução Humana de Piracicaba, costumamos solicitar um ultrassom, a fim de avaliar o embrião e seus batimentos cardíacos”, relata.

PRINCIPAIS CAUSAS

Entre situações que podem explicar o sangramento no início da gravidez, estão a implantação do óvulo fecundado no útero, variações hormonais, lesões ou feridas na vulva, vagina ou útero; ameaça de abortamento ou gravidez ectópica, entre outras.

O ginecologista esclarece que o sangramento decorrente de aborto espontâneo acontece em um fluxo grande, apresenta coágulos e costuma vir acompanhado por fortes cólicas.

Jornalistas responsáveis: Flávia Paschoal/Marisa Massiarelli Setto – Toda Mídia Comunicação

DR. JOSÉ HIGINO RIBEIRO DOS SANTOS JUNIOR
Ginecologista | CRM 80.719

• Formado em Medicina pela Unicamp
• Especialista em videolasparocopia e videohisteroscopia pela Febrasgo
• Coordenador da residência médica de ginecologia da Irmandade Santa Casa de Misericórdia de Limeira