23 de setembro de 2015

Relação Programada é a técnica mais simples para engravidar

Se o casal mantém relações sexuais sem proteção durante um ano e não consegue engravidar, é hora de procurar um especialista em reprodução humana. “A ideia de que todos os tratamentos têm alto custo precisa ser desmistificada; em alguns casos, é possível resolver o problema com técnicas simples, como o coito programado”, afirma o ginecologista Ernesto Valvano, da equipe do Centro de Reprodução Humana de Piracicaba.

Conhecido também como relação programada ou ‘namoro programado’, o método consiste em acompanhar de perto o ciclo menstrual da mulher, monitorando a ovulação por meio de exames de ultrassom seriados e dosagens dos níveis de hormônios no sangue e na urina. “Os ovários são estimulados com medicamentos com o objetivo de aumentar a precisão do dia fértil”, esclarece o ginecologista.

O tratamento é definido após consulta com especialista e realização de exames do casal. “É indicado para casais em que a mulher apresenta infertilidade por problemas de ovulação, que pode, a princípio, ser corrigida por meio de medicamentos e de relações sexuais programadas, e o homem apresenta sêmen normal”, esclarece Valvano. Em alguns casos, o método pode ser indicado também para os casais com infertilidade sem causa aparente, após completa pesquisa diagnóstica.

Para iniciar o tratamento, a paciente vai passar pela estimulação ovariana, que é feita por meio de medicamentos via oral ou injetáveis a base de hormônios. Para acompanhar a evolução dos óvulos, a mulher terá que ir periodicamente à clínica e será submetida a ultrassonografias transvaginais. É por meio desse exame que os médicos sabem qual é a hora certa de marcar a relação. O casal deve seguir as datas e intervalos indicados pelo especialista.

Jornalistas responsáveis: Flávia Paschoal/Marisa Massiarelli Setto – Toda Mídia Comunicação

DR. ERNESTO VALVANO
Ginecologista | CRM/SP 48.716

• Formado pela Faculdade de Medicina São José do Rio Preto
• Especialista em ginecologia obstetrícia
• Pós-graduado em Reprodução Humana